conheça a espécie

O periquito cara-suja (Pyrrhura griseipectus) é uma ave exclusivamente nordestina que já foi encontrada em muitos estados da região. No entanto, devido à destruição de seu habitat (as florestas serranas) e à captura ilegal de animais silvestres, atualmente ocorre apenas em três pontos do Estado do Ceará.

saiba mais

Eles medem de 22 a 28 cm e pesam em média 58 gramas.

Frutos, sementes e flores.

É uma espécie social que vive em bandos familiares de aproximadamente 4 a 15 indivíduos.

Ao entardecer se protegem dos predadores em ocos de árvores, entre folhas de palmeiras ou bromélias.

Ocorre apenas uma vez ao ano, de fevereiro a junho. As femêas botam em média 6 ovos .

Fazem ninhos em ocos de árvores, mas como não são capazes de escavar seus próprios ninhos, se aproveitam de buracos deixados por pica-paus.

Quando os filhotes nascem o casal divide a tarefa de alimentá-los. Por vezes eles tem ajuda até de um terceiro membro do bando para conseguir criar os filhotes com sucesso.

Captura de Animais

A captura é a principal ameaça à espécie, pois ela reduz o número de periquitos cara-suja na natureza. Essa prática ilegal causou a extinção local da espécie em várias áreas no passado.

Desmatamento

O desmatamento é a principal ameaça ao futuro da espécie, pois ele reduz as áreas de alimentação e reprodução, fazendo com que os indivíduos sejam obrigados a procurar novas áreas para sobreviver. No contexto atual, onde as matas já estão reduzidas, é muito preocupante ver que os desmatamentos continuam ocorrendo.

Destruição de Ninhos

Anualmente, temos encontrado ninhos destruídos para a captura ilegal de filhotes, o que causa diminuição na quantidade de ninhos disponíveis na natureza e consequentemente, redução na reprodução da espécie.

timeline

Diferenciação da espécie
Primeiro registro
Descrição da espécie
Ameaçada
Esforço coletivo
Lista internacional
Início do projeto
Buscas
Caixas-ninho
Quixadá
Imagens
Anilhas
Ibaretama
Centro de Visitantes
Guia de aves
Surgimento da espécie de acordo com estudos genéticos recentes.
Espécie é retratada pela primeira vez, em pinturas do Brasil Holandês.
Espécie é reconhecida pelos cientistas como: Pyrrhura griseipectus.
Governo Brasileiro reconhece a espécie como criticamente ameaçada de extinção.
A Aquasis, com o apoio de outros pesquisadores, luta para que a espécie seja reconhecida internacionalmente.
Ela é inserida na lista Internacional de espécies ameaçadas de extinção IUCN.
Início do Projeto Periquito Cara-suja.
Buscas são realizadas por diversas serras do nordeste
Primeiras caixas-ninho são instaladas
A espécie é encontrada em Quixadá.
Primeiras imagens são gravadas dentro do ninho
Filhotes começam a ser anilhados.
A espécie é encontrada em Ibaretama.
Inauguração do centro de visitantes Periquito Cara-suja.
É lançado o Guia de aves da Serra de Baturité.

90 mil anos a.c.
1644
1900
2003
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2014
2015
2016

Plano de Ação

O Plano de ação nacional é um conjunto de metas criadas para evitar que a espécie seja extinta na natureza.

As metas são bem diversificadas e incluem desde o aumento na fiscalização contra o tráfico de animais silvestres e atividades de campo para monitoramento da espécie na natureza, até ações de educação ambiental nas comunidades locais.

Para atingir todas essas metas, é necessário um esforço conjunto entre órgãos governamentais, ONG’s,
empresas, donos de propriedades, agricultores, escolas, comunidades locais e dentre outros.

estratégias

Instalação e acompanhamento de caixas ninho: atualmente estão instaladas 50 caixas-ninho na Serra de Baturité e o número de caixas ocupadas pelos periquitos cara-suja vem aumentando a cada ano. Em apenas 7 anos de projeto já são mais de 400 filhotes nascidos.

Monitoramento de ninhos naturais: Para evitar a destruição dos ninhos naturais, a equipe de campo localiza, mapeia e monitora estes ninhos. A presença frequente da equipe nos locais tem se mostrado eficiente na redução de atividades ilegais.

Anilhamento e proteção dos filhotes: Os filhotes nascidos são anilhados e monitorados para evitar a captura ilegal e ataques de vespas e abelhas, aumentando assim a sua taxa de sobrevivência.

Câmeras de monitoramento: As cameras são instaladas dentro dos ninhos e as imagens captadas são utilizadas para fins científicos e educacionais.

Visitas frequentes a Quixadá e Ibaretama: Nestas duas áreas o número de periquitos é bem menor, por isso, a situação se torna ainda mais delicada. Nestas viagens realizamos trabalho de campo (monitoramento do tamanho dos bandos, localização de áreas de alimentação e dormida, dentre outros) e de educação ambiental.

Educação ambiental nas comunidades locais: A fim de conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação da biodiversidade, o periquito cara-suja se tornou um símbolo, e é por meio dele que desenvolvemos diversas atividades, entre elas estão a produção e distribuição de materiais educativos, visitas a propriedades rurais, recepção de pessoas no centro de visitantes, palestras em escolas….

O Projeto Periquito Cara-suja incentiva e dá suporte técnico junto aos proprietários de terras que queiram garantir, em caráter perpétuo, a preservação de suas áreas de mata no Maciço de Baturité. A criação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) é um benefício para a população e para o periquito cara-suja.

GALERIA

venha nos visitar

O Centro de Visitantes Periquito Cara-suja é um espaço interativo que utiliza de tecnologia audiovisual para falar sobre a importância da preservação da biodiversidade.

A entrada é gratuita e o horário de funcionamento é:
Sexta-feira das 14h às 18h; Sábado das 8h às 18h; Domingo das 8h às 12h. Visitas em outros dias podem ser agendadas.

Nossa Equipe

FABIO NUNES

Biólogo pela UFC. É o coordenador do projeto, sendo responsável pelo planejamento e execução das estratégias de conservação para a espécie. Atua também na produção de relatórios, palestras e materiais de divulgação do projeto.

Ileyne Lopes

Mestre em Ecologia pela UNICAMP. É responsável pelo planejamento e realização de atividades de sensibilização ambiental em escolas e comunidades locais. Atua também na produção de relatórios, materiais educativos e de divulgação do projeto.

Bruno Lindsey

Bruno é responsável pela organização do banco de dados, registros fotográficos e auxílio às atividades de campo.

Francisco Cezário

Francisco é o responsável pelo monitoramento da espécie, manutenção das caixas-ninho, e localização de ninhos naturais.

Fabricio Jacaúna

Fabrício é responsável pelo monitoramento da espécie, visitas às propriedades rurais e auxílio às atividades de educação ambiental.

Entre em contato

(85) 9.8915 - 7700

periquitocarasuja@aquasis.org

parceiros